Início Acontecimentos Aprovado plano que fará desaparecer Calçada Portuguesa

Aprovado plano que fará desaparecer Calçada Portuguesa

137
0
Aprovado plano que fará desaparecer Calçada Portuguesa

Foi aprovado esta terça-feira um plano que prevê que a Calçada Portuguesa deverá desaparecer de Lisboa até 2017.

 

Tornar Lisboa uma cidade mais acessível. É esta a razão que justifica a criação do Plano de Acessibilidade Pedonal, aprovado esta terça-feira pela Assembleia Municipal de Lisboa (AML).

No entanto, nem todas as 100 medidas incluídas neste documento são completamente pacíficas. Entre a criação de mais passadeiras e ciclovias, ou o rebaixamento de passeios, encontra-se a medida da discórdia: a retirada da tradicional Calçada Portuguesa.

Aprovado plano que fará desaparecer Calçada Portuguesa

A medida, segundo o que é possível perceber pelas declarações do Vereador dos Direitos Sociais da autarquia da capital do nosso país, será apenas implementada em ‘zonas onde esta possa representar perigo’, devido ao seu caracter ‘derrapante e irregular’. No entanto, os defensores do património, reconhecido e popular em todo o mundo, tendo até inspirado o famoso ‘Calçadão’ da praia de Copacabana, no Brasil, não concordam com a medida, que deverá ser implementada até 2017, e planeiam já ações para impedir que a substituição do pavimento tradicional se realize.

Segundo a TSF, a Associação de Defesa do Património de Lisboa considera a medida ‘inaceitável’, e planeia lançar uma petição contra a sua implementação.

Aprovado plano que fará desaparecer Calçada Portuguesa

Em defesa da medida, no entanto, o Vereador João Afonso diz à emissora radiofónica que ‘a substituição será sempre progressiva’, até porque Câmara Municipal não dispõe dos fundos ou do tempo para a realizar de uma assentada, e que ‘não se trata de acabar com a calçada’.

O plano, que pretende ‘tornar Lisboa numa cidade ‘para todas as pessoas, de todas as idades, com ou sem deficiência, com mais e menos para andar a pé’, faz uma distinção entre a ‘calçada artística’, e aquilo que é considerado ‘calçada sem qualidade’, formada por materiais pouco adequados e implementada nas ditas ‘zonas perigosas’, como ruas íngremes, foi aprovado pela AML por unanimidade, apesar de os vários partidos terem feito sugestões de melhorias. No entanto, nenhuma destas sugestões se prende com a substituição da calçada.