Início Notícias Conheça o paraíso dos bebés grandes

Conheça o paraíso dos bebés grandes

143
0
Conheça o paraíso dos bebés grandes

Um casal britânico tem uma casa onde pode voltar a ser bebé por umas horas.

 

Parece que já não é um fetiche novo, mas está agora a virar moda ser ‘um bebé grande’. O conceito tem tanto de fetiche como de regressão psicológica e, incrivelmente, segundo os donos de um ‘lar’ para bebés grandes, não tem absolutamente nada a ver com sexo.

Mas afinal em que consiste este conceito de ‘bebé grande’? Muito simples. O casal, que mora de momento em Liverpool, tem um ‘berçário para adultos’ na sua casa, decorado com cores e brinquedos de criança, além de ‘berços’ para adultos, como é óbvio, e até cadeiras onde os clientes são alimentados como crianças.

Conheça o paraíso dos bebés grandes

Derek, o marido da ‘mãe Maxine’, que ‘toma conta das crianças’, tal e qual uma educadora de infância, explica que este fetiche não tem nada a ver com sexo, nem com interação com crianças, dizendo que ‘Nós não queremos estar com crianças, nós queremos ser as crianças. É muito relaxante. Meia hora de sesta e o stress passa todo’.

O serviço custa £75 por uma hora, e pode chegar a £350 se o cliente passar a noite, com o acréscimo de £25 por uma ‘mudança de fralda’. Além disso, Derek está disponível para transportar os clientes de e para a estação de comboios ou o aeroporto, por £5 e £10, respetivamente.

Conheça o paraíso dos bebés grandes

Segundo o casal, todos os tipos de pessoas os visitam nas novas instalações em Liverpool, particularmente jovens – desde que tenham mais de 18 anos – que agora têm mais acesso à informação do que há 14 anos quando começaram o negócio, mas também casais, e até empresários de sucesso, cujas secretárias marcam as visitas ao ‘spa’, como Maxine lhe chama.

A síndrome do ‘bebé adulto’ é uma condição bem real, que é despoletada por traumas e faz com que adultos queiram agir como bebés de novo, de forma a recuperar esse tempo e ultrapassar as experiências menos positivas.

Ainda existe algum tabu sobre a cultura, mas parece estar a normalizar-se, graças à internet, onde começa a ser possível encontrar os materiais para satisfazer as necessidades destes ‘bebés grandes’.