Início Desporto A queda do ex-jogador Brasileiro Muller

A queda do ex-jogador Brasileiro Muller

301
0

A entrevista com Muller, antigo Internacional da Canarinha

A queda do ex-jogador Brasileiro Muller

O nome foi o que sobrou na história destes valiosos 20 anos de uma bem-sucedida carreira. Hoje, Muller não tem nem o mesmo plano de saúde ou o automóvel. Mora na casa do ex-lateral Pavão, amigo desde os tempos do São Paulo. Bi-campeão mundial pelo time tricolor, em 92 e 93, e campeão pela Selecção no Campeonato do Mundo em 94, o ex-atacante gastou todo o dinheiro que ganhou, e passa agora por dificuldades financeiras, tendo vendido mesmo a igreja da qual era pastor.

O programa Esporte Fantástico da TV Record, levantou a questão há algum tempo, e foi feita uma entrevista por telefone pela Marca Brasil, a um doce e constrangido Muller, que aceitou relatar o seu drama, como um exemplo a não ser seguido.

P: Até que ponto as dificuldades financeiras mudaram sua vida?

Muller: Sempre tive o futebol como meio de sobrevivência. E é assim até hoje. Mas não estou passando fome. Errei muito na vida. Tive bons momentos financeiros, mas errei. Fiz muita bobagem. Gastei tudo com besteira.

P: Com que besteira?

Muller: Com mulheres! Não sei se é bom dizer isso. Ah, mas é a verdade. Pode escrever aí que eu gastei com mulheres, com carros, etc. Gastei com vaidades pessoais. Gastei dinheiro com amigos, entre aspas. Amigos de ocasião. Por eu ser uma pessoa generosa, muita gente se aproveitou mesmo de mim.

P: Onde, aos 45 anos, encontra força?

Muller: Estou cheio de saúde e pronto para recomeçar. Acertei hoje (Maio 2011) com uma grande rádio para comentar o Brasileirão. Tenho vigor para recomeçar do nada. Estou muito feliz com o convite que recebi hoje para trabalhar. Era um objetivo voltar a ser comentarista.

Hoje acertei com uma grande rádio para comentar o Brasileirão. Tenho vigor para recomeçar do nada!

P: E a família, vive bem?

Muller: Minha mãe e os meus seis irmãos levam uma vida normal. Tenho três filhos: Luis Muller, 23 anos, Mateus Muller, 18, e Gabriel Muller, 14. Meus filhos moram num apartamento próprio, o que é um alívio pra mim. Pelo menos isso, né?

P: Você não tem nenhum imóvel?

Muller: Comprei vários imóveis ao longo da minha vida. Só fui perdendo, perdendo, perdendo.  Hoje, não tenho nenhum.

P: Você tem algum bem material?

Muller: Não, eu não tenho nada.

P: Tem plano de saúde?

Muller: Também não tenho.

P: Acha importante falar sobre esse assunto?

Muller: Não é fácil. Tenho dificuldades financeiras, sim. Espero que os jovens que estão começando não repitam o meu erro. O que eu quero agora é que Deus me dê força para recomeçar do zero. E ele está dando.

P: Você tem noção de quanto dinheiro ganhou?

Muller: Não, mas foi muito. Nem sei calcular quanto perdi. Não sei se deveria dizer, mas eu perdi milhões. Perdi tudo que consegui no futebol. Joguei fora o que construi ao longo de 20 anos. Mas tenho carácter e isso não tem preço … por isso que admito estar passando por isso.

P: Você era pastor. Que fim levou a igreja?

Muller: Vendi o terreno e repassei a igreja. Mas pretendo no futuro abrir outra.

P: Não tem carro?

Muller: Não tenho carro.

P: Teve quantos?

Muller: (Risos) Tive um monte de carros. Ó Nossa! Muitos!

P: Mais de 20?

Muller: Com certeza, tive bem mais do que 20 carros.

P: Faltou orientação?

Muller: Pode até ser, mas isso não justifica o meu erro.

P: Telé Santana não puxava a sua orelha?

Muller: (Risos) Puxava direto. Ele era um paizão. Mas olha, eu tomei decisões erradas. Fiz as piores escolhas. Foi isso.

P: Gastou com drogas?

Muller: Ah, isso não. Graças a Deus, nunca usei. Eu nunca fumei nem mesmo um cigarro.

P: Você mora na casa do Pavão e está construindo um puxadinho na parte de cima. A ideia é ter um pouco mais de privacidade?

Muller: Sim. Somos amigos, eu morava de aluguel e estava sempre na casa dele. Então, o Pavão me chamou para morar aqui. Faz uns seis meses que estou na casa. São quatro quartos e fica no Morumbi.

P: De todas as perdas, sente mais falta de qual?

Muller: Futuramente, quero comprar um carro. Quem não tem carro em São Paulo está morto. Fora isso, nada me faz falta

P: Anda de Ónibus?

Muller: Não ando de Ónibus porque tenho vários colegas que têm carro. O próprio Pavão tem um. Então, a gente está sempre saindo junto.

P: Sente saudade do tempo em que tinha dinheiro?

Muller: Deus me deu o privilégio de ter as coisas básicas de que preciso. Tenho casa, roupa e comida. Tenho o que uma pessoa precisa para viver.

P: Alguma mágoa com o futebol?

Muller: Posso dizer que eu não sou exemplo para ninguém. O futebol me proporcionou tantas coisas boas que não posso me queixar de nada. Tenho um nome e fiz uma história.

P: Quando começou a dificuldade financeira?

Muller: Foi depois que eu saí da TV, em 2009 (era comentarista do SporTV).

P: Depois de trabalhar na TV, você foi treinador do Imbituba, de Santa Catarina. Quanto ganhava lá?

Muller: Não preciso falar. Trabalhei lá de Novembro do ano passado até Abril. De 18 jogos, o time ganhou apenas três. E caiu para a Segunda Divisão. Sabe quando você vai separar uma briga e acaba apanhando? Foi mais ou menos o que aconteceu comigo.

P: Tem saudade dos tempos de jogador?

Muller: Não tenho saudade do futebol, nem da vida de rico que levei. Só tenho boas lembranças e isso é suficiente. Curti o que tinha que curtir. Agora, acabou.

P: Fez amigos?

Muller: Tenho dois. O Pavão e o André Luís, que também jogou comigo. Você sabe que não se faz muita amizade nesse meio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui