Início Acontecimentos Trabalhadores do Sexo juntam-se ao Primeiro de Maio

Trabalhadores do Sexo juntam-se ao Primeiro de Maio

92
0
Trabalhadores do Sexo juntam-se ao Primeiro de Maio

Manifestação está marcada para a madrugada tanto em Lisboa como no Porto.

 

Esta noite, mais precisamente às 00h15, vão ver-se guarda-chuvas vermelhos abertos no Cais do Sodré e na Praça dos Leões. As manifestações, que se realizam simultaneamente em Lisboa e Porto, respetivamente, servem-se deste simbolismo para exigir melhores condições de um grupo muito especial de trabalhadores: atores pornográficos, funcionários de ‘hot lines’ de cariz erótico, e claro, as ‘meninas’ da profissão mais antiga do mundo, as prostitutas, que constituem a face mais visível da indústria do sexo.

Trabalhadores do Sexo juntam-se ao Primeiro de Maio

A associação ‘Todos Somos Um’ estará por detrás do protesto, que pretende sensibilizar a sociedade e obter reconhecimento pata as ‘profissões de teor sexual’ de modo a conseguir melhores condições para estes trabalhadores, que se estimam ser mais de 100 mil no nosso país.

A Madame X, que fala em nome da organização do evento, explica que estes trabalhadores pretendem obter o respeito, e assumir os seus direitos e obrigações como trabalhadores, incluindo ‘fazer descontos para a Segurança Social e receber benefícios fiscais’.

Trabalhadores do Sexo juntam-se ao Primeiro de Maio

A ativista admite, em desvalorizar os casos de tráfico e exploração de seres humanos, que a maioria das prostitutas são livres, e que ficariam melhor protegidas com o reconhecimento da lei e a inserção num enquadramento legal próprio.

Entre as propostas para a profissionalização das prostitutas está a tabela de preços a partir de 1€ por minuto, a obrigatoriedade do uso de preservativo, e a necessidade de dar formação às iniciantes.

A manifestação, marcada para o Dia do Trabalhador, o feriado mundialmente conhecido em que associações sindicais e afins saem à rua para manifestar-se pelos seus direitos, visa causar sensibilização numa sociedade que segundo a Madame X ‘está mais que preparada’ para dar este passo em relação às profissões de teor sexual.