Início Notícias Sequestrador sentenciado a 1000 de prisão encontrado morto

Sequestrador sentenciado a 1000 de prisão encontrado morto

311
0
Sequestrador sentenciado a 1000 de prisão encontrado morto

Ariel Castro, o Sequestrador de Cleveland, foi encontrado morto terça-feira à noite na sua cela apenas um mês após ter sido sentenciado a 1000 anos de prisão

 

Ariel Castro foi encontrado morto, por enforcamento, na sua cela na Correctional Reception Center, no estado do Ohio, apenas um mês depois de ter sido sentenciado a 1000 anos de prisão por ter mantido cativas, torturado e violado três mulheres ao longo de 10 anos.

Castro, de 53 anos, estava preso em isolamento, para a sua própria segurança, e ter-se-á suicidado numa das pausas entre as frequentes inspeções que recebia a cada 30 minutos. Os guardas que o encontraram terão tentado ressuscitá-lo de imediato, mas o criminoso terá sido dado como morto uma hora depois no Ohio State University Medical Center, para onde terá sido levado.

Sequestrador sentenciado a 1000 de prisão encontrado morto

A família de Castro, que seria um enorme encargo para o sistema prisional do estado do Ohio, sendo que as suas condições ultrapassariam largamente os $25.000 gastos em médio com cada preso, foi avisada por volta da uma hora da manhã.

A representante da prisão onde Castro morreu assegura que será feita uma investigação exaustiva para saber se a sua morte poderia ter sido evitada, ou se algo de anormal terá acontecido com a vigilância de Castro, enquanto o seu advogado revela que tinha antes requerido uma avaliação psicológica do seu cliente, sem sucesso.

Sequestrador sentenciado a 1000 de prisão encontrado morto

Castro já tinha falado em cometer suicídio em 2004, numa nota que o FBI encontrou quando efetuou buscas na sua casa, após a libertação das reféns.

Sequestrador sentenciado a 1000 de prisão encontrado morto

Castro, um antigo motorista de autocarros escolares, foi sentenciado a prisão perpétua, tendo-se declarado culpado de mais de 900 crimes de rapto, violação e agressão, alegando ser doente, e culpando a sua dependência de pornografia e abusos sofridos na infância pelas suas ações contra as três mulheres.

O caso veio a lume quando Amanda Berry, de quem Castro tinha uma filha de seis anos, fugiu do cativeiro no passado mês de Maio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui